IELB - Igreja Evangélica Luterana do Brasil

Traduzir

 

Conheça a IELB


A IELB tem uma uma história de bênçãos, de muitas bênçãos recebidas de Deus, e que continua presente no Brasil e no mundo para ser um canal e um instrumento para repartir estas bênçãos com as pessoas. No testemunho, no ensino, na ação social, na comunhão e na adoração, a Igreja aponta para o Salvador Jesus, cumprindo sua missão de proclamar Cristo para todos.

IELB em números (*):  57 distritos  /  532 paróquias / 2.036 locais (congregações e pontos de pregação ou missão)  / 851 pastores (626 pastores que atuam em paróquias)  / 242.072membros. (*) Dados estatísticos de 2014


A IELB é divida administrativamente por distritos. Um deles é o Distrito Rio de Janeiro que engloba todas as congregações do estado do Rio de Janeiro e as paróquias de Juiz de Fora e Viçosa/MG. Saiba mais sobre as congregações do Distrito Rio de Janeiro.

Saiba mais sobre a IELB: http://www.ielb.org.br/index.php


O tema geral da Igreja Evangélica Luterana do Brasil - IELB  para2015-2018 é "Vou viver e anunciar o que o Senhor tem feito!".

O enfoque para 2018 é " No lugar onde fui colocado por Deus", baseado no texto bíblico : “Não morrerei; antes, viverei e contarei as obras do Senhor!” Sl 118.1

A idéia central da logomarca da IELB  é a cruz. A mensagem da cruz é a que deve ser lembrada e vivida.
 
Tema IELB 2018
 

A Igreja Evangélica Luterana do Brasil – IELB iniciou no Brasil no ano de 1900, com a vinda ao Brasil do Pastor Christian J. Broders, um missionário da Igreja Luterana – Sinodo Missouri, enviado dos Estados Unidos para atender um pedido de luteranos que haviam vindo da Alemanha e estavam sem atendimento espiritual. No dia 1° de julho de 1900 foi fundada e a primeira congregação da IELB, no atual município de Morro Redondo, RS. A partir do sul do Brasil, a IELB se espalhou por todo o Brasil, está presente em todos os estados brasileiros.

O lema permanente da IELB, que revela o que ela quer ser e fazer como um instrumento de Deus é “CRISTO PARA TODOS”. A partir deste lema, a Igreja definiu:

como missão - Proclamar Cristo para todos;

como propósito - Compartilhar o Evangelho de Cristo para promover a evangelização e o crescimento espiritual;

como valores -  A ação e o amor de Deus através da sua Palavra e dos sacramentos do Batismo e da Santa Ceia, que trazem perdão, vida e salvação , em Cristo;

como visão -  Ser uma Igreja Luterana confessional que vai ao encontro das necessidades das pessoas.

 

Doutrinas da Igreja Evangélica Luterana

A IELB faz parte do Conselho Luterano Internacional (International Lutheran Council - CLI). Ele congrega 35 Igrejas Luteranas fiéis aos princípios da Reforma e aos documentos confessionais básicos contidos no Livro de Concórdia, de 1580.

Saiba mais sobre o CLI: http://www.ilc-online.org/

Cremos, ensinamos e confessamos
  • que a Sagrada Escritura é a Palavra de Deus, inspirada pelo Espírito Santo;
  • que ela é a única fonte de fé e vida do cristão;
  • que Deus nos fala nas páginas da Bíblia, e nós falamos com ele em nossas preces e orações.
Cremos, ensinamos e confessamos
  • que há um único Deus verdadeiro, a Santíssima Trindade, Pai, Filho e Espírito Santo;
  • que somente no céu poderemos entender o mistério da Trindade.
Cremos, ensinamos e confessamos
  • que Deus Pai, todo-poderoso, é o Criador do Universo, tanto das coisas visíveis como das invisíveis;
  • que ele nos deu a vida, e muito mais;
  • que ele nos dá tudo por sua divina bondade e misericórdia, sem nenhum mérito da nossa parte.
A Rosa de Lutero é o símbolo mais conhecido do Luteranismo. Ele sintetiza a fé cristã de uma forma simples e abrangente. Saiba mais ...
Cremos, ensinamos e confessamos
  • que Jesus Cristo é verdadeiro Deus e verdadeiro homem, numa única pessoa;
  • que Jesus morreu pelos nossos pecados na cruz do Calvário, foi sepultado, ressuscitou, subiu ao céu, reina em glória e voltará para julgar o mundo com justiça;
  • que este julgamento será de acordo com as suas próprias palavras: “Quem crer e for batizado, será salvo; quem não crer será condenado”;
  • que todas as pessoas que crêem nele como seu único e suficiente Salvador, estarão com Deus na glória eterna;
  • que a nossa entrada no Paraíso celestial, será no mesmo dia da partida deste mundo, como Jesus prometeu ao malfeitor arrependido na cruz.
Cremos, ensinamos e confessamos
  • que ninguém pode chegar a Deus por seu próprio esforço e merecimento;
  • que o divino Espírito Santo nos chama pelo Evangelho e nos conduz a Cristo, o Salvador;
  • que, por essa ação do Espírito Santo – remidos e salvos por Cristo – temos o perdão, e a certeza da ressurreição e da vida eterna;
  • que, agora, guiados pelo Espírito Santo, praticamos as boas ações, para a glória de Deus e para o bem do próximo, não mais por obrigação, mas como agradecimento pela salvação gratuita em Cristo;
  • que as boas obras são fruto do Espírito, e a verdadeira fé cristã produz boas ações sem cessar;
  • que o mesmo Espírito alimenta e fortalece a nossa fé, pelo estudo das Sagradas Escrituras, pela aliança do nosso Batismo e da Santa Ceia;
  • que Ele nos consola e conforta em todas as situações da vida, na tristeza, no luto, na dor;
  • que o Espírito Santo conserva em nós a fé, até o nosso bem-aventurado fim.

      Por tudo isso, damos graças e louvor ao nosso bom Deus, agora e sempre. Amém.
      (Nestor Welzel, Pastor Emérito IELB, Rio, 2007)

A Reforma Luterana

A Reforma 

No início do século XVI o cristianismo na Europa estava mergulhado numa profunda crise de identidade e valores. As Escrituras haviam sido abandonadas e substituídas por doutrinas humanas e alheias às mesmas.

A Igreja achava-se presa a uma rígida estrutura eclesiástica e por vezes o Senhor Jesus ocupava a um lugar de segunda importância. Adoração a santos e relíquias dominava a prática da Igreja Ocidental, bem como a venda do perdão dos pecados (indulgências).

Descontentamento com este desprezo por Jesus surgiu em toda a parte e na Alemanha ganhou grandes proporções sob a liderança de um monge chamado Martinho Lutero.

Lutero defendia a volta às Escrituras por parte da Igreja, especialmente à sua mensagem central, a justificação do ser humano por meio de Jesus Cristo. Isto, e somente isto, deveria ser o centro de toda a mensagem e atividade da Igreja Cristã. Tudo o que estava relacionado com isto era o principal, o resto secundário.

Apesar de ter sido um processo que durou várias décadas, a Reforma Protestante na Alemanha, que depois se espalhou por diversos outros países da Europa, tem como data histórica o dia 31 de outubro de 1517, pois foi neste dia que o monge e doutor das Escrituras Martinho Lutero pregou as suas 95 teses na porta do Castelo de Wittenberg.

Estas teses, no geral, eram dirigidas contra a venda de indulgências, documentos que eram vendidos concedendo o perdão dos pecados.

A partir de então as ideias de reforma da Igreja Cristã se espalharam rapidamente por toda a Europa e encontraram eco em muitos cristãos comprometidos com a mensagem bíblica da salvação exclusiva em Jesus.

Para celebrar os 500 anos da Reforma Luterana, a IECLB e a IELB se uniram para criar um calendário de atividades que será comemorado até 31 de outubro de 2017, data em que se completa o quincentenário. A Reforma tem um grande significado, seja pela ótica da histórica, seja, especialmente, por causa da Teologia. Afinal, a Reforma foi responsável por transformações determinantes do rumo da sociedade. Acompanhe a programação em: https://www.facebook.com/500AnosReformaLuterana

Lutero

Martinho Lutero nasceu em 10 de novembro de 1483, em Eisleben, na Alemanha. Em 1505 formou-se como Mestre em Artes e tinha uma promissora carreira no Direito adiante de si, mas largou tudo para entrar no mosteiro da Ordem dos Eremitas, Agostinianos, ainda em 1505. Em 1507 é ordenado sacerdote e em 1512 tornou-se doutor em Teologia.

Ao estudar a Bíblia, Lutero descobriu o texto de Romanos 1.17 que diz: “O justo viverá pela fé”, que mudou completamente a sua vida. Até então ele havia pensado que Deus era um Deus justo e santo que exigia dos seres humanos a mesma santidade e que os castigaria por cada falha cometida contra a Sua Lei. A justiça do homem precisava ser perfeita. Entretanto, por meio dessa passagem e muitas outras de diversos livros da Bíblia, como Salmos, Gálatas e Romanos ele pôde perceber que a justiça de Deus é aquela que Ele mesmo concede através de Jesus Cristo.

Ao crermos em Jesus, ou seja por meio da fé em Jesus, nós somos declarados justos por Deus e temos um Deus amoroso e cuidadoso, que não mede esforços para nos trazer a Sua justiça e dá-la a nós. E tudo isso acontecia pela graça de Deus, sem que o ser humano precisasse merecer ou comprar tal justiça.

Por isso Lutero ficou indignado contra a venda do perdão dos pecados (indulgências), porque ia totalmente contra o ensino da Bíblia sobre o perdão gratuito por meio da fé em Jesus Cristo. Em virtude disso, ele pregou as suas 95 teses na porta do castelo de Wittenberg.

Lutero nunca quis criar uma nova Igreja. Pelo contrário, seu único interesse era que a Igreja a qual ele pertencia voltasse a ensinar a Bíblia corretamente, colocando o ensino da fé em Jesus Cristo no centro de toda a sua proclamação e atividade.

Infelizmente, ele não foi ouvido e a Igreja continuou negando este ensinamento bíblico e o excomungou. Tendo em vista isto, ele não poderia renegar o claro ensinamento das Escrituras e continuou ensinando a justificação do ser humano por meio da fé em Jesus, juntamente com seus companheiros e colaboradores. Daí surgiu a Igreja Evangélica Luterana na Alemanha.

Lutero continuou a luta pela causa evangélica até à sua morte, que aconteceu em 18 de fevereiro de 1546.

Pinturas de Lucas Cranach der  Ältere (1472 - 1553) retratando Lutero e a Reforma. Cranach foi um pintor, gravador e xilogravador alemão que abraçou com entusiasmo a causa da Reforma, tornando-se amigo de Martinho Lutero.

CEL Cristo Redentor - Igreja Luterana  I  Rua Santa Clara 307  Copacabana - Rio de Janeiro RJ Brasil I   +55 (21) 2542.1867